Skip to content

Gripe Suína: Lições do Marketing "Viral"

5 de maio de 2009

Trocadilhos à parte, o assunto do momento comprova a força do buzz marketing. Em pouquíssimo tempo, a nova candidata à pandemia tornou-se assunto favorito de quase todas as comunidades web. Como todo marketing viral, a novidade tomou conta das discussões dos internautas. Aproveitando os 6 princípios do Dr Ralph F. Wilson, vamos conferir como a gripe suína atende aos requisitos de um bom viral. Não vamos questionar a seriedade do problema, mas somente utilizá-lo como modelo de estudo.

1. Distribua gratuitamente produtos e/ou serviços com algum valor

Como diz o Dr. Wilson, grátis é a palavra mágica do vocabulário de qualquer profissional de marketing. Alguém aqui pagou pelo menos R$ 0,01 para receber notícias sobre a gripe suína?

2. Ofereça o conteúdo de uma maneira simples de retransmitir

Um vírus só é bem sucedido em seu reason-why se ele contamina alguém. Nesse caso, na onda virtual da gripe suína, é extremamente comum:

  • Fazer retweets;
  • Bookmarking;
  • Clicar no link “enviar via twitter”;
  • Apertar o botão forward do e-mail.

Basta um espirro, digo, um clique.

3. Disponibilize o conteúdo de forma altamente escalável

Como estamos usando o case gripe suína e, partindo da premissa de que a história se propagou na web basicamente devido às redes sociais, não há o que discutir. Redes Sociais são escaláveis por si só, têm massa crítica e são altamente linkaveis, funcionando como verdadeiros hubs. Um hub é um excelente propagador; para um vírus, nada melhor.

4. Explore motivações e comportamentos comuns

No caso da nossa gripe, os dois comportamentos mais comuns existentes são:

  • O pânico
  • O humor negro

Perdi a conta de quantas vezes recebi a foto do menininho beijando o porco, do camelô peruano vendendo máscaras de proteção no trânsito e de e-mails com o título Plano de Contingência.

Explore o desejo de ser cool que há em cada ser humano. Confesso que muitas vezes repasso bons virais. Todo mundo repassa.

5. Utilize meios de comunicação já existentes

Na era do CGM (Consumer Generated Media), vamos esquecer os Mainstream Media. Levando em conta que no meio sócio-físico cada pessoa tem uma rede de relacionamento de 8 a 12 pessoas, imagine no mundo social virtual. Veja abaixo as estatísticas das redes sociais:

6. Tire proveito de recursos de terceiros

Autores que permitem a publicação de seus artigos em outros sites de forma gratuita, além de agraciar os retransmissores com conteúdo relevante, estão se beneficiando destes nodos. Não há muita complexidade na etiqueta, a não ser o dever de citar a fonte, ou o link. Caso eu goste do seu texto, vou colocá-lo no meu blog, fazer referência ao seu, e pronto.

Boa sorte em suas campanhas virais! E, se espirrar, saúde!

Fonte:

Marcela Daniotti – iMasters

Anúncios
One Comment leave one →
  1. Thiago permalink
    6 de maio de 2009 2:18 PM

    Belo artigo, o blog jé está no meu bookmarks.
    Abraço, se cuida! 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: